._. Log in ._.

Incontinência Urinária atinge metade das mulheres com mais de 40 anos

Sem título

Incontinência Urinária atinge metade das mulheres com mais de 40 anos

“Xixi nas calças” pode não ser coisa apenas de crianças, cerca de metade da população feminina com mais de 40 anos sofre com problemas de perdas urinárias. Os tipos mais comuns são bexiga hiperativa, ou incontinência urinária de urgência, e a incontinência urinária de esforço. Esta última é caracterizada pela perda involuntária de urina aos pequenos, médios ou grandes esforços e pode ocorrer por uma série de fatores e em diversas idades.

A dona de casa Angela Sousa descobriu recentemente que estava com incontinência urinária, após passar algumas semanas indo ao banheiro a cada meia hora, e vendo escapamentos de xixi em roupas que usava no decorrer do dia. “Eu tinha uma vontade incontrolável de fazer xixi, não dava para chegar até o banheiro, não conseguia controlar. Logo nos primeiros dias tive que mudar minha rotina, sempre usava roupas escuras e levava absorventes na bolsa”, conta.

A uroginecologista Roberta Dantas explica que a incontinência urinária pode ser classificada em três tipos: de esforço, de urgência ou mista. Se a perda de urina ocorre ao tossir, espirrar ou correr, por exemplo, é chamada de incontinência urinária de esforço. “A incontinência urinária é mais comum em mulheres devido a questões estruturais, como a uretra curta e 2 falhas naturais do assoalho pélvico, hiatos vaginal e retal. A gestação por si só é um fator de risco devido à sobrecarga do assoalho pélvico.”, diz a especialista.

Já a incontinência urinária de urgência é aquela em que a mulher sente vontade súbita de urinar, perdendo urina antes de chegar ao banheiro. “Quando esses músculos ficam frouxos ou pouco fortalecidos, podem acontecer perdas involuntárias da bexiga. Por isso, exercícios para fortalecimento do assoalho pélvico tem um papel importantíssimo para as mulheres. Fazem parte do tratamento das incontinências urinárias. Podem também ser realizados por gestantes, tendo papel fundamental para quem está se preparando para parto vaginal”, complementou.

Roberta Dantas alerta que a perda xixi não é normal e caso comece a acontecer com frequência, é aconselhado procurar um médico. Por falta de informação ou até por vergonha, muitos indivíduos partem direto para o uso de fraldas ou absorventes. Este problema destrói a qualidade de vida e pode ser resolvido, às vezes sem intervenção cirúrgica.

Entre os exercícios recomendados, estão contrações para fazer deitado no chão, contrações deitado no chão e com o quadril levantado, agachamento com cabo de vassoura ou rodo, e sentar-se em uma cadeira com bola, almofada ou travesseiro dobrado.

Sem comentários ainda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *